Postagens

Mostrando postagens de Junho 4, 2012
Imagem
Fábula dos Piratas Parte III

Mar é moradia

Avança por mares revoltos
Reafirma sua total identidade
Navegador guerreiro, punhal nos caninos
Amante de tempestades e estorvos
Vento intenso e leme solto.

Olho ímpar e rubro no horizonte
Seguido por gaivotas e morcegos
Pernas magras de carne e cicatriz
No ombro, um incorrigível atroz falante.

Um náufrago o observa com ansiedade
Faz moradia numa ilha equidistante
Deu-lhe um susto farta bandeira de caveira
Sepultou sua esperança de três anos.

A solidão é uma amiga em comum
Veio a coragem de acender uma fogueira
E na fumaça o pirata avista a ilha
Dá meia volta, pois o mar é moradia.

André Anlub
Imagem
Foi Hoje na Madrugada

Querem saber o teu verdadeiro nome
Anseiam que digas teus mais secretos mistérios
Depois irão espalhar aos quatro cantos e ventos
Assim talvez possam beber na tua fonte.

Não que sejas pecadora ao extremo...
Que tenhas confessado teu passado e presente.
Sei que sou afetuoso e inexperiente
Pois meu coração está absolutamente enfermo.

Posso te ouvir gritando por dentro
Sentir o teu ventre ininterruptamente clamar
Queres novamente arriscar um rebento
Sei que tu sabes exatamente o que é amar.

Essa noite eu o vi em um maravilhoso sonho
Abraçado comigo, era belo e delicado
Voávamos por sobre a Ilha de Páscoa
Carregavas-me nos braços, batendo as asas.

Tinha o rosto de quando tu eras pequena
Sorriso, feição e fala serena
Vi-me abençoado e regado em satisfação
Criei esse filho em minha imaginação.

André Anlub
Imagem
Ode ao Louco

Sente na carne o estrago que a trincheira do corpo deixa passar
Flecha que não era bem quista, disritmia foi-se a bailar
Casco inquebrável, por vezes tentado a traições.

Entre o espírito luzidio e a aura, há um fulgor de Foucault mais forte.
Persevera a bondade do antes e do agora
Ser altruísta de cumplicidade afortunada e contínua
Mostra com clareza, destreza e simploriamente, os "nortes".

A altivez tem tratamento, seja por vezes até o suicídio!
Segurando forte em uma mão a vida moribunda...
Na outra mão a morte... Acalento que soa sem perigo.

Suspenso pelo pescoço, com as canelas ao vento
No abismo vê-se isento de culpa, de dor e remorso.

Dimanem sacrifícios?
Não, chega de ignorância!

André Anlub