Longa vida ao long play


Lojas de discos de todo o mundo comemoram hoje o dia do vinil - e os bolachões vieram para ficar
20 de abril de 2013 | 2h 11
Renan Dissenha Fagundes - O Estado de S.Paulo



Não dá mais para falar que os discos de vinil estão voltando: eles já voltaram. E hoje, a venda de LPs é celebrada em todo o mundo no Record Store Day, criado em 2007 nos EUA para unir músicos, gravadoras e lojas de discos.

Mas a data não existe ainda nos mesmos moldes por aqui. "Lá fora, as gravadoras se juntam e organizam uma série de lançamentos", afirma Marcio Custódio, proprietário da loja Locomotiva Discos, em São Paulo. "Aqui, é movimentado pelas lojas de discos independentes."

Custódio aproveita a data para abrir uma segunda unidade da Locomotiva, na mesma Galeria Nova Barão em que fica a primeira. "É uma extensão, para poder expor todo o material com mais conforto", diz. Nos dois anos desde que abriu a loja, Custódio viu o interesse por vinil crescer. "Os jovens passaram a comprar, a se interessar por esse ritual, e os mais velhos voltaram", afirma.

Você pode olhar para vários lados e ver o crescimento do interesse por discos. A Polysom, única fábrica de LPs da América Latina, dobrou a produção entre 2011 e 2012. No mesmo período, a venda de bolachões na Livraria Cultura aumentou 200%. E no Mercado Livre, 81%.

"Mais do que um mercado estabelecido, o que se vê hoje é um mercado em crescimento contínuo", afirma João Augusto, proprietário da gravadora Deck e consultor da Polysom.

Não que o vinil tenha deixado de ser um fetiche, embora o público esteja aumentando. "Continua sendo um mercado de nicho, mas um nicho que ainda tem espaço para expandir", afirma João Paulo Bueno, analista de negócios na categoria CDs e LPs da Livraria Cultura.

Para Bueno, a queda do preço é um dos principais fatores para esse aumento. "Antes qualquer vinil custava mais de R$ 180, hoje chega por R$ 80, R$ 90."

A Livraria Cultura, das grandes redes do País, é a que mais abraçou o vinil. Mas no começo, não foi pensado. "O primeiro vinil chegou por engano, no lugar de um CD", diz Bueno. "A gente colocou para vender, e de repente começou a ter demanda."

Hoje, há eventos em todas as 15 lojas da Cultura no Brasil para comemorar o Record Store Day. "Teve uma venda muito grande no ano passado", afirma Bueno.

Resta esperar que a data cresça no Brasil, junto com as vendas. "Eu gostaria de que no ano que vem as gravadoras organizassem lançamentos especiais de música brasileira para vender nesse dia", diz Custódio. "Seria legal ter uma união entre as gravadoras e as lojas de disco, uma linguagem mais consolidada."


Dos desafios

Sentinelas do mais profundo amor
vejo pela janela as folhas e pétalas que caem pintando o chão
formam os tapetes dos amantes
síntese da emoção de todos os seres vivos.

Já tentei deixar de ser romântico
ver o mundo em branco e preto
lavar bem lavado meu despeito
organizar minha semântica.

Pego a massa e faço o pão
uso a farinha que vem do trigo.
Existe aqui dentro um insano coração
que se materializou tão somente por você.

Vai dizer que me embriago por não tê-la
sons antigos na vitrola e deito-me em posição fetal
estou fraco para o viral e depressões 
forte para construir minhas teias.

Em absoluto desafio... 
Quero ser chefe dos meus desatinos
levantando e regressando à caminhada
vestindo minhas melhores roupas e colocando meus anéis
fazendo o que sei fazer de melhor.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer