Sexta show


Os tantos meninos poetas

E cá voltou de outra época longínqua,
O apoucado moleque descalço.
Veio de um cataclísmico berço esplêndido,
Nos revides eternos do vil encalço.

Retorna a salvo, mas a mente vazia de ideias,
Na bagagem traz a insatisfação.
Menino louco de pessimismo confuso,
E demasiadamente obtuso coração.

Viu a total desgraça de uma raça,
Viu veemência e no caráter a falência.
Lutou com moços na frente de batalha,
Ofuscou-se com o brilho da navalha da realeza.

Do futuro o menino prodígio poeta,
Com bolsos cheios de gritos de guerra.
Suas bandeiras: cantigas de amor e saudade...
São suas trincheiras contra o algoz da realidade.

André Anlub®
(18/7/13)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI