Dos martelos (André Anlub®)



Dos martelos

Já voltei daquele passeio
Em terras loucas e quentes,
Com aquele absurdo vermelho
Que adorna por ser inerente
Às paixões corriqueiras.

Estou exausto
Feito cão em fim de passeio,
Com a língua pra fora
E o coração festeiro.

Eu em plena liberdade,
Tenho um letreiro na testa,
Escrito que o sexo é festa
E o amor finalidade.

Acho que sempre me alongo
Quando escrevo sobre esse tema.
Vou e venho no trapézio e na cena
Ao som de um zepelim e seu gongo.

Por livre e espontânea vontade
Exponho-me.
Ponho-me a entender o assombro
De que não há sempre certeza
Para toda a verdade.

Assim constroem-se castelos
Nos terrenos da avareza.
E o plebeu no destino,
Do nordestino ao sulista,
Dominará seu recinto,
Erguerá seu martelo.

André Anlub®
(6/8/13)


#VemPraRima

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI