Poeta e Samurai



POETA E SAMURAI

Vem à luz da incandescência
Da espada que é erguida
Em algum ponto do planeta.
Logo em seguida
Em toda alma e essência
Derrama-se a tinta
Da lança chamada caneta.
Lança-chamas na vareta mágica

Vereda de uma vida trágica
Soldado sem baioneta vira samurai
Se a lâmina não sai
A lama atrai ao novo caminho

Por entre todos os burburinhos
A boa poesia não trai

André Anlub e Ateu Poeta
17/10/2013

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer