Olha a chuva, olha a cobra, olha o funkeiro... É mentira!


O Baile do Prazer

Por um segundo se afaga o céu...

Chega de mansinho, sobe pela espinha
Parece queimar por dentro
Sedento, dou mais linha na pipa
A contento... Quero repetir a façanha.

Ao som de um bom e velho blues...

O suor invade nossa cama
O calor emana dos corpos
O silencio agora é preceito
Tentamos acender novamente a chama.

Mãos bailam inquietas pelos relevos
Lábios molhados e soltos
Não há censura, não há barganha
Momento pleno, libertino e verdadeiro.

Por um segundo bulimos com o céu...

Ao som de Celso Blues Boy.

André Anlub®

In memoriam - Celso Blues Boy - *5/1/56 - †6/8/12

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer