Dai a César o que é de César


Dai a César o que é de César

Experimentar o néctar da vida
Poder sentir a pureza...
Com toque de plumas e sons harmoniosos.

Uma vida é um desabrochar, sabor doce do mel
 Um “amargurecer” de todo amar
Deflagra na emoção do sentir.

A autopiedade é companheira íntima do flagelo
 E nesse doce, nesse marmelo, não entra a calda do reprimir.

Acrescento no arco-íris, ao lado do amarelo...
 Um azul petróleo que faz exprimir.

Denota o lado escuro de uma bela cor
No trajeto...  O inicio e o fim.

Em outras palavras...

Que em toda beleza pode existir algo ruim!
Tudo é valido do ponto que se vê.

Aproveite o sol que resseca uma folha
Aproveite a lua que inspira você.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI