Poços sujos...

Desenredou como que livrando-me dos sujos poços
lavando-me e deixando-me no fino trato.
E a alma, que até então perdida, renasceu
colocando farta comida no prato
e de fato sepultando os ossos.

A poesia tirou-me de um sujo e apertado buraco 
e jogou-me num asseado e extenso espaço:
- Meu muito obrigado!

André Anlub®
(9/3/14)


Não poderia deixar de colocar por aqui o belíssimo cartão da amiga Eliani.


Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI