ALGUNS MIONICONTOS

- Não te pedi para ficar sozinho um pouco? Não te disse que estava precisando me recolher?
- Mas isso já fazem três meses!
- Pra você ver como eu estava precisando.


A boca cheia falou à boca vazia umas coisas que a boca vazia invejou, pois queria encher-se também. Mas quando teve a fartura diante dos dentes, a boca vazia percebeu coisas que a boca cheia ainda teria que esvaziar-se para perceber.


Nada fazia Falippa mudar de ideia. “Tenho certeza, e quando eu tenho certeza vou até o inferno defendendo a minha opinião”. O que Falippa não percebia é que isso já era o inferno. E ela não perceber fazia parte dele.


A cabeça de Gápilo caiu no chão com um certo estrondo, chamou a atenção de meio mundo, foi uma correria para juntá-la e por de novo em cima do aflito pescoço. Gápilo nunca perdoou sua cabeça por este vexame. Ainda se caísse discretamente e pedisse ajuda com educação para três ou quatro mais próximos, tudo bem. Mas aquele escândalo, aquela falta de pudor histérica, fotos disseminadas pela internet, programas de tevê querendo entrevistá-lo, revistas de homem pelado querendo fazer capa com ele, isso Gápilo jamais perdoaria. Nem que sua cabeça nunca mais caísse no chão.


- Trouxe uma rosa pra você.
- Mas é a mesma de ontem!
- Claro que não é a mesma de ontem, amor. Só a cor é igual.
- Então. É a mesma de ontem!


Hacágio era um homem correto. Aparentemente, Hacágio era um homem correto. Quando se descobriu que ele havia casado duas vezes no mesmo dia com mulheres diferentes e que estas mulheres nunca souberam da amante que ele mantinha desde antes dos casamentos, foi um tremor de terra. Hacágio deu um meio sorriso para todo aquele frenesi em histeria e depois disse:
- Isso que vocês nunca viram minha declaração de renda.
Houve primeiro um pequeno choque, um instante em que tudo pareceu paralisado. Logo após, uma corrida à escrivaninha de Hacágio.


- Quero deixar bem claro que deixar bem claro é coisa pra alvejante e pra sabão em pó. Se vocês querem mesmo clareza procurem um albino.
- O que ele quer dizer com isso?
- Que não quer dizer nada.


Acabou se ferindo na cerca. Ela estava ali para dizer “não passe”. Passou. Mas passou se ferindo, deixando carne e sangue no arame e levando corte fundo e ferrugem consigo. Nada bom. Mais adiante é preciso que haja mais do que outra cerca.


- Não serviu. Bota fora e compra outro.
- Mas custou 50 reais!
- Tu tens 50 reais pra comprar outro?
- Tenho.
- Então bota este fora e compra outro.
- Mas tá novinho, é uma pena.
- É, tá novinho. Mas não serviu...


Aquele poço parecia não ter fundo.
- Quem cavou isso?
- A Natureza, será?
- Olha as paredes. A Natureza costuma fazer desenhos assim?
- Pois é. Quem faria desenhos nas paredes de um poço?
- Pode que nem sempre tenha sido um poço.
- Pode. Mas pra que alguém cavaria um buraco tão fundo, com quatro metros de diâmetro e com desenhos nas paredes?
 - Não sei. Pode ser que lá embaixo a gente encontre a resposta.


- Eu espero muita coisa de ti, meu filho!
- E eu espero que esta sua espera não me desespere...

ROGÉRIO CAMARGO

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer