Aquela semana proveitosa a todos

 

E agora deixo a sorte
Ir tomando posse, assim, aos poucos.
Vejo a felicidade surgindo sublime,
Como eu sonho que deveria ser... 
Destinada a todos. 

A epopeia de Denise (caixa de Pandora)
(5/5/10)

Como se começa uma história?
Algo que pode ter acontecido...
E se a mesma não existe na memória,
Posto que seja um fictício ocorrido:

Denise caminha em uma praia
E mesmo que o sol não raia
Sua alegria insiste.

Depara-se com uma caixa,
Um baú velho e pequeno...
O abre, deixando escapar um veneno.

A caixa...

Dentro havia um sonho,
Que a remeteu a outros lugares,
Voava por entre vales,
Sentia na face leve brisa gélida.

Despiu-se de todos os seus disfarces,
Reviu todos que já se foram,
(todos que por ela eram amados e ela por eles).

Viu a morte que passou tão rápida e inexpressiva
Que na verdade poderia se tratar de uma nuvem negra...

(nuvem pequena e inútil)

(...) Essa nuvem que não faz chuva,
Mas dependendo do ponto de vista,
Pode fazer sombra e tirar o reinado do sol.

Ela voou sobre a ilha de páscoa
E sorriu para seus mistérios.
Atravessou alguns deltas de rios,
Do Parnaíba ao Nilo.

Ao anoitecer viu paris,
Sentiu seus perfumes.
Por um momento os odores a levaram a campos,
Como se ela estivesse presa numa redoma de vidro...

Foi testemunha do nascimento
De uma pequena aldeia:
África.

Os lugares voltavam no tempo,
Homens pré-históricos surgiam em grupos,
Perseguiam mamutes,
Comiam com as mãos...

(descobriram o fogo, a violência e a pretensão).

Ninguém podia vê-la, sequer ouvi-la,
E tantas coisas para dizer, ensinar e aprender.

E assim, de repente, tudo foi simplificado a um só casal de humanos,
Voltando em segundos ao atual e normal.

Pode ver tanta coisa e estar em tantos lugares,
Mas ao retornar desse sonho tão real,
A realidade maior a esperava...

Ela não pode encontrar quem seria prioritário:

Quem responderia suas recentes
E antigas perguntas?
Quem a acolheria
E daria afagos e força?

Quem a conhecia como ninguém...

Ninguém mais que, talvez...
Talvez, ela mesma.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI