Dueto da tarde [parte V]

Eis as primárias linhas do poeta, desabando, gotículas de chuva na vastidão do mar.
Não são as primeiras mágoas, mas são as primeiras águas de um esteta.
Ao longe abandona a solidão com a ambição de companheirismos perfeitos.
Costura as ondas com o olhar, alinhava nuvens, prende gaivotas à liberdade.
Vendo em tudo “qualidades”, aspira e respira respeito como um rei em seu reino...

Eis então as primárias linhas do poeta, afetas a seus afetos, diretas em seus completos:
Visam apagarem suas últimas mágoas, as últimas lágrimas que a sua face banharam.
É uma viagem do sim atravessando os desertos do não
Dando um banho de inspiração na lúgubre escuridão do sem nada.

Rogério Camargo e André Anlub
(6/12/14)





Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI