Dueto da tarde [parte IV]

O amor anônimo, lá tão longe mesmo tão perto,
Disperso pela busca eterna de uma perfeição etérea,
Chega porque chega, fica porque fica, expressão aérea
Da inspiração palpável e imagética que procura comunhão.

O amor com prenome, sempre tão perto mesmo tão longe,
Fulge aos gritos, mesmo que calado,
Cala gritando, os olhos em fogo, as mãos ventania, os pés furacão
Assim caminhando, sem foco ou mando, só caminhando...

Com nome ou sem nome, o amor perto longe, o amor longe perto
De certo é bem-vindo, é qualquer caminho, carne e espírito, tez e excitação;
Calado gritando, gritando calado, levando e levado, amado amando, amando amado
Na linha do horizonte, agora acordado, luz/sol despontando, despontado, desperto.

Rogério Camargo e André Anlub®
(5/12/14)


É hoje o lançamento da Antologia Emoções Poéticas II


Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI