Postagens

Mostrando postagens de Setembro 25, 2014

VARAL DE POESIAS - MG 2014

Imagem
"De graça, o público pôde conferir o “Sarau no Parque” coordenado pelo cantor e compositor 
Mario Noya e seus convidados, juntamente com o projeto " Varal de Poesias", apoiado pelo cantor e coordenado pela poetisa Larissa Vaz. Às vésperas da primavera, o Parque das Mangabeiras, localizado na Serra do Curral, maior reserva ambiental de Belo Horizonte, foi palco para a apresentação de diversos compositores em fase de divulgação de seus CDs e de novos músicos que estão se formando pelas escolas Oficina de Música Cavallieri (BH) e Escala (Sete Lagoas). Evento integrante do projeto “Caminhão Palco Itinerante” (desde 2009), de Mario Noya, o Sarau propiciou a apresentação de compositores com os quais o artista Mario Noya encontra interseções e parcerias. São eles: Geraldo Carvalho (RN), Dillo Daraújo (DF), Tuia Lencioni (SP), Jefin Joanes (BH), Marco Damarita (BH), João Vianna (Vil Metal –BH), dentre outros. Com alguns destes compositores Mario acaba de se apresentar em Londres…

A cena da sina em cinco tempos

Imagem
A cena da sina em cinco tempos (19/3/14)
Deixei um abraço pro lago Paranoá, Fim de tarde dos mais belos, E o sol batendo o ponto pra descansar.
II
Se não fosse a paixão, simples, Teria outro nome: - Fez-se atração ao limite do suportável. Mais uma vez grito! E o grito sai assim: - Meio confuso, meio dominado. É a saudade, é o deslumbre; É o lume da liberdade... São pontos, luzes da minha cidade; Vejo o mar com imponência e atitude.
Olho pela janela do avião e concluo: - Será uma enorme coincidência de também meu corpo físico estar nas nuvens?
Não há tempestade que me atinja; Não há cor ou mancha alguma que me tinja. Hoje - agora - amanhã... Sou camaleão!
III
Olhos cheios d’água, É noite e as luzes refletem na minha íris. Vejo minha terra, minha mãe Desse filho adotivo, birrento, Que amamentou em seu seio, (ama de leite) Banhou-se no seu mar E no seu sol aqueceu-se De um acaloro que vem de dentro Expressivo – decisivo – poetar.
IV
Agora é êxtase de lisonjeio e satisfação; Pus a mão na arte, na autoridade de uma academi…