Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 18, 2014
ALGUNS MIONICONTOS

- Não te pedi para ficar sozinho um pouco? Não te disse que estava precisando me recolher?
- Mas isso já fazem três meses!
- Pra você ver como eu estava precisando.


A boca cheia falou à boca vazia umas coisas que a boca vazia invejou, pois queria encher-se também. Mas quando teve a fartura diante dos dentes, a boca vazia percebeu coisas que a boca cheia ainda teria que esvaziar-se para perceber.


Nada fazia Falippa mudar de ideia. “Tenho certeza, e quando eu tenho certeza vou até o inferno defendendo a minha opinião”. O que Falippa não percebia é que isso já era o inferno. E ela não perceber fazia parte dele.


A cabeça de Gápilo caiu no chão com um certo estrondo, chamou a atenção de meio mundo, foi uma correria para juntá-la e por de novo em cima do aflito pescoço. Gápilo nunca perdoou sua cabeça por este vexame. Ainda se caísse discretamente e pedisse ajuda com educação para três ou quatro mais próximos, tudo bem. Mas aquele escândalo, aquela falta de pudor histéri…

Dueto da tarde (XVI)

Olhos de lince que alcançam “no lance” a paixão que passa em relance...
Instante mágico de saber e não saber, de ter certeza e afogar-se em dúvidas
E a plenitude absoluta, inspiração e labuta (que engorda e faz crescer).
Não há desculpas para não ter visto: aos olhos de penetração aguda nada escapa.
Não se trata de ser caça, nem caçador; não é preciso haver dor ou desgraça,
Também não é preciso intoxicar-se de felicidade, enlouquecer de coisa boa vista/vivida.
Há a disponibilidade da escolha, mas há de se ter equilíbrio e o brio de enxergar sempre a boa renovação.
O lince caça, a fome consome, mas o olhar de matar também é o olhar da vida tida,
A ansiedade da continuidade, a herança de tempo idos e a necessidade de se concretizar o amanhã,
Quando isso é aquilo apenas em pensamento projetado e aquilo é isso apenas em ilusão cultivada.
Essa “coisa” é o ciclo do natural; assim como mergulhamos nos sonhos com a incumbência de torná-los reais (ou não),
Ela vem e ela vai, porque é dela ir e vir, como …