Dueto da tarde (XXX)




Havia uma resposta que nunca era dada para uma pergunta que nunca era feita.
Aquela sensação do ar rarefeito, do vácuo, do nada... espelho frente ao espelho.
As palavras anestesiadas contorciam-se como um sequestrado no porta-malas de um automóvel.
A loucura do ignóbil sobressaia a qualquer grito, qualquer esquisito fica cabreiro de meter o bedelho
Onde não é chamado, mesmo quando é chamado pela voz interna que inferna-inferniza, quase agoniza por espaço e liberdade.
É “Frontal com Fanta”, talvez uma elefanta voando com asas enormes e o rosto esnobe seja mais possível que qualquer verdade.
Embaixo do tapete mora o tropeço. Embaixo da pedra os vermes prosperam. Embaixo do embaixo a pá não alcança.
Em cima da cabeça um chapéu de cadeira elétrica; lá no topo, no céu, o grito de alerta avisando que falta luz e sobra esperança.
A palavra pode olhar para cima, pode. O dono da palavra pode olhar para cima, pode. Mas o mas do mas e o porém do porém são as respostas já. 
Já que a “procura” é a loucura necessária que alavanca o corpo, tira da cama, da camisa de força, força viver e viver é a tempestade e a bonança.

Rogério Camargo e André Anlub®
(8/1/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI