Águas do sul


Águas do sul
(André Anlub - 22/1/14)

Correm as águas nervosas e frias,
Delas, tuas e minhas, na prontidão da montanha.
Descem céleres, loucas, carraspanas
Que a tua, a dele e a nossa
Menina bonita se banha.
Nas suntuosas curvas dos teus eixos
Levam e trazem histórias.
Despencam, esculpindo rochas,
Lixas de raça que movimentam os seixos.
Do céu são águas de eterno espelho
- Se tem céu azul, dança o azul em ondas.
Do nascente ao ocaso, dá ao acaso
(laranja, amarelo, vermelho).
Ao som de milongas.
Nasceu em águas apaixonantes (disse alguém) a poesia.
Num cenário emoldurado que consagrou a cria.
- Entre cantos, entre tantos, por ironia...
Este poeta de amor sofria.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer