Quem caça um poema?




Quem caça um poema?
(André Anlub - 1/7/11)

Já nem sei por onde anda...
No gole, na gola, na manga;
Nem sei de onde veio...
Do ventre, da saia, do seio.
Sei que em bares é citado,
Amado e temido.
Sei que fica exposto aos olhos
E dos olhos sorve o pranto...
Das mãos às vezes é santo.
Dizem que é dissabor e contentamento...
No seu corpo tem amor,
No coração, lamento;
Dizem a má e a boa língua
Que é terra, mar e vento.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI