Sempre vivo

Dai o sujeito pensa (ou vomita): "O exemplo vem de cima" - mas isso é a pura e vil transferência de culpa! Dois erros não fazem um acerto!



Sempre vivo
(André Anlub - 4/1/13)

Precisamos de dias mais longos,
Cheios de ar, aves; árvores por todos os cantos,
Cantos açucarando os pesares.
(Afagando os ouvidos)

Ouvi dos sinceros seus sins,
Som de detalhes...
De talhes simplórios,
Corpos notórios, 
Felicidade - gemidos.

Precisamos de larga boca
E nada oca a mente.
Mente aquele que no medo,
Em segredo,
No paladar do azedo, 
Expõe que não ama
E não segue passo à frente.

Por aqui, por ali,
O sol nasceu mais vivo;
Vi você de repente,
Menos breve e arredio
Arrepender-se contente.

Na trilha do som e do cheiro, 
entre outros planejes, 
já havia o longo tempo de um asilo 
- E saiu, enfrentou, 
nisso e naquilo 

foi certeiro.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI