Asas de anjo ou dragão



Asas de anjo ou dragão 
(André Anlub - 3/7/14)

Vejam só os dois olhinhos,
Sinceros, impávidos,
Carregando a expressão das brasas dos entusiasmos.

O mundo deles também anda agitado,
E ainda mais quando estão juntos;

São avejões diversos...
No advérbio adjunto do anseio
Disponível no plasmático vulcânico...
Fundiram os neurônios e os versos.

Não há relógio no “slow motion”,
Tampouco o reviver das simples coisas.

A caneta dança na folha branca,
O sentimento canta a canção que voa...
Os dois olhinhos são escravos do tempo,
E o tempo não vive a mercê da porta aberta...

Não cumpre a cumplicidade que se torna seguro,
Simplesmente existe e o quase é quase eterno.

Asas batendo, colorido das penas,
Bico bem largo e garras como dentes;
Com moderação se barganha com a vida,
Contínua rotina de distrair pensamentos
E tapear os momentos e as ideias baldias.

Criou-se o hábito saboroso e salutar,
Começou a lutar com as armas evidentes.
Vê a novidade de coisas iguais que nunca foram feitas,
Reinventa os trejeitos dos seus sujeitos (dá-se um jeito).

E a luta contra o colosso imortal continua,
O gigante que é anão, que espeta,
Que apunha, apunhala, compunha a mente incerta,
E a luta se enluta no negro alerta.
(...) nessa hora os olhos se emocionam mais uma vez,
Enchem-se d’água e desaguam...

E a vida: 
Eles querem entendê-la, desvendá-la,
Querem enterrá-la para saber sempre onde está;
Irão confessar até o que nunca fizeram
E pelos campos e cidades aos ventos voarão...
Sendo perene ou não, sendo asas de anjo ou dragão.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer