Dia Internacional da Mulher (parte IV)


A tal da saudade
(André Anlub - 12/2/11)

De todos os sons
Nada mais valia;
Meu rock, meu jazz,
O doce do blues,
Nem qualquer feitiçaria.
Minha cara metade,
Cálida mulher,
Jardim de vida:
Ação – amor – afeição,
Motor propulsor
E motivação...
Fiel agasalho – elixir,
Sua voz é pronuncia,
Mel – música,
Que não canso de ouvir.

E as mulheres... (sempre lembradas)
Não há nada mais indomável
Do que uma mulher sem vaidade.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI