Dos Outonos




Tão célere vai passando o ano que já deu sinal na retina: o outono, descendo a colina.

Dos Outonos
(André Anlub - 10/10/12)

Já é outono...
Já é beleza.

Natureza com realeza e seus adereços,
E o endereço com a maior certeza
É não esquentar cabeça com nenhum transtorno.

Há uma cidade com um parque no centro...
Não é o Central Park!

O amarelo e o carmim abrem o caminho,
E mesmo sozinho nunca me perco.

Há uma casa com uma árvore muito cheia,
No outono ela emagrece,
Fica mais bela!

Pela janela
Estupefatos,
Todos emudecem...

E contemplando perguntam aos quatro ventos:
- merecemos viver essa loucura?

Já é outono...
É formosura.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer