Dueto da tarde (CIX)



Dueto da tarde (CIX)

Naquela aquietada tarde de verão ouviu-se de um coração a voz de prisão.
Você é meu!, dizia ele para si mesmo, mesmo sem entender o que dizia.
Seria paixão doentia, doação, ação – reação ou fantasia?
Não havia espelho que respondesse. Vê-se que sozinho resolveria.
Buscando em todos os âmbitos os amores recentes, deparou-se com a poesia.
Era a única forma de aplacar a nostalgia e transformar tristeza em alegria.
Mas já era de casa a poesia: arrumava a cama, cuidava dos cães, fazia comida, preparava a marmita e ainda trabalhava como vigia.
Até quebrava o galho na medicina: muitas vezes curou sua azia.
Sozinha sentia-se solitária, por isso pulava cercas e muros, pulava o claro e o escuro, pulava corda com a vizinha e no violino pulava acordes... era assim seu dia a dia.
Dois solitários então. O dono do coração e a poesia com sua carga de melancolia.
Dois viventes famintos; dois siameses distintos; dois incentivos à vida criando o lume em uma tarde sombria.
Duas sombras que a agonia embalava em papel bonito, colorido como a melodia
E como toda música, toda vida, com possibilidades da concluída entoada, poética, bonita, dialética... quente e fria...
Vida dizendo sim o tempo todo e eles o tempo todo ouvindo não.

Rogério Camargo e André Anlub
(30/3/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer