Dueto da tarde (CVIII)



Dueto da tarde (CVIII)

O pequeno frio é um ensaio para o grande frio.
Permita-me comentar: o trio elétrico vai passar.
Talvez haja calor nele, talvez apenas ruído.
Foi imbuído a trazer dúvidas e calafrios.
O que ferve nele pode esquentar a alma ou congelar.
O que serve nele é a nova calça jeans em liquidação.
O consumo num assomo de agasalhar. Ou de dar aparência.
E se houver extrema experiência: aquecer, decorar e enfeitiçar.
O pequeno frio dá uma pequena risada e segue o ensaio.
Não sei se entro ou saio para observá-lo observando os vassalos.
Deixá-los em paz é ironia: eles não sabem o que é isso.
Então se usa o feitiço criando o compromisso com os vis castigos.
Castigo maior é o grande frio. Que o pequeno ensaia na praia,
Que o médio desconhece na vaia, que o grande reafirma em sua baia,
Que o enorme traz para sua raia e todos concordam em um ponto:
Quem não afaga que vá para o raio que o parta.

Rogério Camargo e André Anlub
(29/3/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI