Dueto da tarde (XCIV)



Dueto da tarde (XCIV)

Esperar é inevitável. Não só por causa da esperança.
Há de se viver com ação mais a paciência de Jó e jogar ao vento a projeção da perfeição.
O inevitável nem precisa bater à porta: para ele ela está sempre aberta.
Mas claro que há de tudo; há até clero andando incrédulo, sem crédito sem cédula sem sílaba sem cerne.
Há juiz sem juízo, mestre sem mestrado, cantor que não canta, galo que não gala e portas que não fecham.
Há até poetas insensíveis; dizem que há! mas particularmente não acredito, ou talvez sejam invisíveis.
Poeta insensível não é poeta, mesmo que faça versos. Assim espero. (Esperar é inevitável?) Fecho a porta para esperar melhor.
Sei que alguém dará de cara na porta, pois obstáculos são inevitáveis. Torço para que seja alguma coisa que evito.
Do lado de dentro me centro, adentro meu parlamento particular e digo a mim mesmo o que não posso evitar: amor, contentamento, frustração, inspiração e dor.
Digo isso e muito mais do que pode mais porque chora menos. Em frente, à frente do que me afronta, tonta é a porta, que só sabe abrir ou fechar; tonta é a esperança, que só sabe esperar.
Se o inevitável nasceu inevitável e gosta de ser assim... de nada adianta evita-lo; vou apertado abraça-lo, abrir meu melhor vinho, calçar minhas botas, colocar meu casaco de frio e caminhar para o acaso. 

Rogério Camargo e André Anlub
(15/3/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer