Dueto da tarde (XCVII)



Dueto da tarde (XCVII)

Avalia-se como bem quer, e usa de coerência mesclada com a ironia à la mode Samuel Beckett.
Sua equação é simples: não usar equação nenhuma. Seu esquema é fácil: se quiser ir, vá; se quiser ficar, vá também.
Na prece e na pressa acende duas velas, uma ao insone – outra à remela.
Mão e vela: manivela que não gira o destino, desatino que não corrompe a razão.
Rasga o verbo, mas fez cópia antes; rasga o instante e rejeita o eterno.
Entre San Juan e Mendoza, fica em Copacabana, tentando convencer a princesinha do mar de oceanos que ela não vê.
“Não liga para nada e ninguém, acha-se um despótico no harém” – li isso em algum lugar, mas não tem nada a ver.
Não para definir o que tem a ver. E o que tem a ver? Limpar as lentes dos óculos pode ser um começo.
A sua coerência detêm o apreço e no seu endereço lacrou a caixa de correio; em seus devaneios vê vampiros em espelhos, lobisomem sem pelos e Sacis de joelhos.
Não limpar as lentes dos óculos pode ser o fim... Nada, no entanto, é nada no intento de deixar como está para ver como é que não fica.
Segue em frente e de ré para um lugar qualquer; e chegando ao destino ouvirá o sino para destituir sua insígnia.
Avaliação: aval e ação, pensa. Estamos todos no mesmo barco. E afunda na direção do pré-sal.

Rogério Camargo e André Anlub
(18/3/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI