Santos de madeira

Câmera escondida revela abuso contra empregados em fabricante da Apple na China
Posted by BBC Brasil on Sexta, 19 de dezembro de 2014


Santos de madeira
(André Anlub - 25/12/11)

Pés descalços pisam nas britas,
Que parecem pequenas brasas.

Colher de boia fria na marmita,
Colher de pedreiro nas mãos,
Ensaiando seu karatê. 
(aiá!)

Cheirando cimento,
Colando o pulmão.

O sol fulgente e quente 
Cortando de um lado ao outro
O céu mais limpo.

Rito habitual,
Frito obituário.

Às vezes pisca para a esperança
E o sol ri da sua cara.

E ele, cá embaixo,
Suando em bicas,
Pensa que há uma missão a ser feita.
(e há!)

Nas horas vagas é escultor,
Faz santos de madeira.

Com a ponteira acerta os pontos,
Com o cinzel talha o formato
E a plaina aplana a vida.

(...) E o verniz como o brilho nos olhos
Da lágrima que se mescla ao suor.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI