Dueto da tarde (CLII)

Is it YES or is it NO? A conceptual sculpture by #MarkusRaetz!www.artFido.com/popular-art
Posted by artFido - fetching art on Quarta, 13 de maio de 2015

Dueto da tarde (CLII)

A pétala dormia serena seu sono de orvalho quando foi sacudida por um vento elétrico.
“Vento de maio rainha dos raios de sol” – de repente agora se dava início sua larga e aguardada jornada. Sempre quis se soltar das irmãs.
Leva consigo o perfume e a saudade, mas entrega-se à aventura com o furor dos descobridores de novos mundos.
Pétala que cai no rio é pétala que tem sorte. Pode passear por um extenso caminho, enfrentando correntezas, vendo novas margens, novas árvores, na certeza de tudo ser incerto.
Mas ela não sabe se vai cair no rio. Não sabe mesmo o que é um rio. No momento apenas embriaga-se com a sensação de engolir o mundo enquanto mundo a engole.
Se dopa com seu próprio cheiro, se enfeita com sua própria cor; entre trejeitos de uma princesa ela despenca sem nenhum pudor.
Cai entre as pedras de um calçamento árido. Passos apressados e indiferentes pisoteiam o passeio. São como compassos de uma música sem estrutura. Ela ouve e não entende.
A pedra esquenta seu corpo e o foco perde-se na aparência; a mente mistura as letras: tudo se torna gigante mesmo antes gigante já sendo.
Não demora alguém lhe pisa em cima. Ela não sabe o que é “alguém”. Mas acaba de saber o que é ter o peso de alguém em cima.
Vê-se carregada colada em um sobe e desce frenético; agora é pétala que pedala, entregue ao léu e deus dará... Sem patoá nem patuá.
Já conheceu o mundo nas asas do vento, vai conhecer o mundo numa sola de sapato.

Rogério Camargo e André Anlub
(13/5/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer