Tarde de 11 de maio de 2015


Tarde de 11 de maio de 2015 (como vida, bebo água, cheiro ar e não arroto caviar)

A vida vai seguindo comboiando-se a todo instante, de passagem e visitante, de quem fica à morte lenta, de quem não sabe a morte longe e de quem vai à morte além. A vida ficou mais frágil? Talvez... Mas nós estamos mais sábios, temos plena consciência de que não estacionamos no tempo, nos comodismos dos dias e/ou nas ilusões dos cenários e cenas. Tudo no devido lugar, e o lugar no devido lugar, e o devido a quem é devido o lugar de estar no lugar. Não vou por o pé na estrada, no momento ela vem até mim; não vou me armar de armadura, minha dureza está na essência; não vou falar em poesia, a poesia é que falará por mim; não me obstruo em êxtases mundanos, pois são imundos e sempre sem fim. Janelas batem com o vento, vaso de planta, vaso de terra, maré cheia, baixa, vazante, têm vazaduras e secas, mentes, vesículas, versículos, esdrúxulos, esguios, sorrisos e lamentos, de joelhos, deitado, em pé. Abrem-se e fecham-se olhos, livros, portas, cabeças e comportas... Pouco importa se quer ou não quer. Nuvens correm e outras não; criam-se filhos, fornalhas, rinhas, falsários, salários, fé. Olham-se o João e o André. O céu ficou mais franco, e o frio, e a fraqueza do resfriado que foi pego na beira do rio, banhando-se em calafrios ou em prantos. Na sua melhor fase tudo assusta: a grama muito mais verde e o céu limpinho como uma folha estendida e passada em azul; as águas frescas e a mente flertando com o melhor que há no momento e no que estará porvir; e tudo assusta. Tudo e tão muito que pode se tornar pouco; tudo começa a fazer sentido e o sentido por si só está fora de controle. Hora de bagunçar. De lambuja a luz do abajur queima, nota-se a lua que trabalha insistente, noite após dia, sem ganhar nada por fora, nem um suborno sequer... Somente a admiração dos que veem, sentem, amam e vivem. Tudo que vier é lucro quando não se aposta alto tendo aposta de sobra. Tudo é paradoxo e até se torna imposto se diante do espelho da alma houver a negação de ser o dono do corpo, o dono das decisões. A vida vai seguindo, de repente até não. O relógio não para, só quando a corda lhe falta. Escrevendo de corpo e alma; de repente só com o mecânico mesmo. A vida vai se ajeitando como as águas das cachoeiras desenhando as marmitas. Leva tempo, mas há precisão. 

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer