Dueto da tarde (CXC)

Acordar e dar de cara com um tucano lindo no quintal ...morar na roça tem suas vantagens.
Posted by Arthe Paiva on Domingo, 28 de junho de 2015


Dueto da tarde (CXC)

Mãos tateando nuvens, como à procura de um destino que já está ali.
Revoluções dentro de tufos de algodão... Não só chuvas e trovões como pensam alguns.
Não só trovões e chuvas como deixam de pensar outros uns. Quando uma palavra tem tudo, uma palavra nada tem.
Na palavra e seu oco há um pouco do brio do opaco empacado ansiando o brilho. Mal sabe ele que o seu embaciado é bem-vindo.
Mãos amassando nuvens como quem amassa a massa do pão. Mas a fome é outra, muito outra.
Mãos colocando seus anéis de Saturno como quem soturno rouba do universo o quinhão.
Bebendo estrelas como quem gargareja um Campari. Algumas grudam na garganta. Não deixam apelar para socorro algum.
O sol tomou à frente e fechou a festa. Aos olhos presentes nenhuma nuvem resta para abrir os presentes.
As mãos continuam tateando. Agora em busca de explicação. Ou de consolo. Ou do que enterrar no buraco que a frustração abriu.
Sonhos passam em céleres cometas, mas em sérios gametas um novo sonho se despiu.
Com os pés gelados pelo frio da expectativa, ele pisa as mesmas nuvens que as mãos tatearam e encontra no embrião os raios – chuvas –, encontra a turva visão de não haver mais nenhum segredo. 

Rogério Camargo e André Anlub
(28/6/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI