manhã de 9 de julho de 2015



Na ponta da língua os amores; no resto da boca as paixões
(manhã de 9 de julho de 2015)

Já não seria de ontem, de hoje, tampouco sonho ou alucinação. Vejo os sorrisos e os prantos, juntos, balanceados e divididos pela emoção. É digno como pimenta calabresa temperando meu peixe de domingo – de segunda –, até sexta. Fato armado, direto, explícito... Poesia faz isso comigo: me esfaqueia, me beija, quebra meu queixo com um soco direto no queixo – nem me queixo –, me quebra ao meio, me quebra em meio à calmaria – quer que eu chore ou ria –, me flecha e me fecha com uma placa escrito: rua sem saída (mas com saída... e muitas, de todos os jeitos). O básico já estaria de bom tamanho: amá-la mais que tudo. Mas vislumbra-se mais e mais, vislumbra-se tudo – goiabada com queijo, e de búfala. Facas, faces, inicialmente e finalmente nas entrefazes da escultura do próprio ser; seria um ser mutante? Seria um ser pensante? Já não se sabe o que seria e nem sei o que eu seria sem poesia (e nem quero saber! mas não espalha). Abro as cortinas do agora, do agito, da zorra, da zorra, mas que zorra... Vejo-me escrevendo em uma praia quase deserta; vejo-me de sunga escura, ou azul, verde e amarela; sunga branca, pronto – ponto! Os pés sujos de areia, o mar batendo calmo, uma sereia (ai já é sonho, ou vai dar samba), o sol de começo de dia, gaivotas voando, e só o som do mar (que não é samba). Dentro da minha mente um grito em cântico, um toque alto – mas baixo –, para não atrapalhar. No bloquinho nada branquinho meus emblemas, meus problemas, esquemas, “esquentas” e soluções; em ação minha observação de tudo que chega a conclusão de nada; minha vida exposta, mas um outro Eu que já nasceu ou vai nascer, em outra encarnação... tudo fingido e tingido, pintado de prata e todas as cores, e emoldurado e endiabrado e com um som de fundo... tudo  junto aos talheres e saladas, aos copos com vinho tinto e um tanto de pães de "alhos" – e algo (s) mais – tudo cercado por pinturas, partituras, e Beethoven e cães latindo e cães felizes e mendigando uns pedaços... tudo na mesa... absolutamente tudo na mesa... com um toque de azeite extra virgem e pimenta calabresa... tudo na mesa.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer