Por amor tudo faço



Quando o sentir der as caras, sorrimos para o vento quente que passa: o amor faz derreter as geleiras e a alma torna-se mais clara.

Por amor tudo faço
(nada laço - nada penso)
E tudo posso.
O amor é assim...
Chega e me cerca, aperta e acerta,
O que já seria certo no cerne.

Na geografia do teu corpo passo o mais ardente compasso; a cada traço uma fronteira ultrapasso; ao findar o que faço, limpo toda a sua tez e faço tudo outra vez.

Sempre quero sorte plena 
(cem por cento de êxito)
Na sede, na sina, na senda 
(sem cena)
Vou tentar, e tentar, e tentar novamente...
Até valer a pena.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI