A poesia tirou-me de um sujo

Desenredou como que livrando-me dos sujos poços, lavando-me e deixando-me no fino trato. E a alma, que até então perdida, renasceu, colocando farta comida no prato e de fato sepultando os ossos. A poesia tirou-me de um sujo e apertado buraco e jogou-me num asseado e extenso espaço! Meu muito obrigado!


Fui criado na cidade grande, mas sempre frequentei os "interiores". Andei muito a cavalo; eu mesmo buscava no pasto, selava, montava e ao retornar dava banho. Ordenhei vacas e até aprendi a fazer queijo; pesquei muito em mar e rio, e como também não sou de ferro me rendi e entreguei-me à vida simples. Eta saudade que bateu e me soltou a mão por aqui! 



Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI