Poder, exclusão e loucura em Foucault Contra Ele Mesmo:
Posted by Daniela Lima on Domingo, 11 de outubro de 2015


Há de se ter vida

Ele chora, está com medo
Com frio as lágrimas gelam
No refugio do campo de trigo
Senta e sente o vento soprar.

Ele já foi louco, já foi vertigem
Caçador de próprias luas
Poeta de penas e plumas
Exibia na cicatriz o segredo.

No momento procura abrigo
Velhos mitos perseguidos
Sem valer de coragem ou esforço
Sem tirar a faca de seu dorso.

Há de se ter força no amor que persiste
Ao levantar-se refaz o caminho
Vê a ave que alcança seu ninho
Mesmo a mesma estando ferida.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer