Uma semana show para todos...

O louco, o felino e um filme
(André Anlub – 2/2/14)

Fez lobotomia, portanto torna-se um nobre louco que faz o lobo miar, mas é pirado e ainda acha pouco; não sabe o que pode acontecer no agora que advém a poesia – que mostra com maestria ao sair da boca do bicho-do-mato –, que torna-se canção majestosa ilustrando o eco da vida. E na selva se embrenha – anoitece; e um ponto vermelho – enlouquece. Antigamente uma erva na mente e nos olhos cansados do felino refletia a imaginação de um lobo velho e birrento. Agora, não mais desconjuntado, dá-se calmo e cândido menino que abre as verdadeiras asas da alma – o limpamento. E na selva se veste – amanhece; e um ponto de apoio – uns versos. Cavalos selvagens pra domar ou deixa-los livres no não padecer da escolha - parecer da escolta - poder da escuta. No deflorar da coragem segue acertado a passos firmes como um filme que lhe foi caguetado ao ouvido.

Aqui dentro

Há um amor
que trabalha arduamente
por tudo e todos
por dias e anos
e até no sem fim.
Existe o rugido
de uma fera risonha
que toca e cura,
enxerga e expurga
a semente obscura.
Há a melancolia
de cartas queimadas
amores deixados
em tempos partidos.
Há foto no porta-retratos
sempre alterada
do preto e branco
ao colorido sem brilho.
O ontem no calendário
transtornado e aflito
por fazerem dele
um amanhã vazio.
Há boatos de sorrisos
também falos umbigos
de mentes mecânicas
e corpos esguios.
Na uva, na ameixa, na seda
na beleza completa
da mão que acaricia
um rosto pelas manhãs.
Sem esquecer-se do elemento
Esticando as curvas
em linha reta de traço
rompendo dimensões
no ingênuo abraço.
Tem limão e tem dente de alho
e o pagão reservou seu lugar
para o paladar em sacrifício.
Agora sai em desafio
correndo no meio fio
e folhas deixadas voando
dos livros de Ana Cristina
de Sylvia e companhia
para outros olhos no cio.

André Anlub
(Inspirado no escrito “lá fora” de Ana Cristina Cesar)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer