O trem, a vida, outrem


O trem, a vida, outrem

Vi os trens de Norfolk; mas foi num sonho.
Vi um céu igual o dos Simpsons, só que real.

(abre aspas)
Nunca duvidei de minhas capacidades,
Elas que ocasionalmente duvidavam de mim.
Hoje a “dúvida” é minha fiel engrenagem
Minha âncora, minha pólvora, meu estopim.

Hoje há nevasca só quando faço um desenho,
Mas meu empenho é sempre em traçar o amar.
O amanhã sempre em odes que eu mesmo resenho,
Estará lá, porém, também, para o insano em hesitar.

Quimeras de ocasião, canções que devemos aprender,
Seguindo as rodovias que trafegam os segredos,
Eu, você e as artérias e veias que levam nosso viver...
Nunca fomos de brinquedo.
(fecha aspas)

A vida ensina tudo a todos,
Mas a morte é egoísta, 
Não ensina nada a ninguém.
Nem ela, - nem eu, 
Sabemos o que um poeta quer dizer,
Mas a poesia sempre deixa algo no ar...
Ninguém sabe se é real.
Nem o poeta, nem a morte...
Só a vida sabe.

André Anlub®
(10/9/14)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI