Breu da madrugada


Amo ver-te
nua em sedução
onde passeia minha paixão
que toca tua alma faceira
beleza que tonteia
minha cálida e pálida visão.

Breu da madrugada

Segue-me nos segundos
dentro do casco, no coração
até mesmo na cálida alma
por que não?

Como música cadenciada
mas sem compromisso
talvez um jazz.

Desenhando meus passos
indicando a direção
e indo além.

Deliberando os sentimentos
e minhas paixões...
Por onde e com quem.
Decidindo os espaços.

Diferencia o mal e o bem
arma-me com espada forjada 
na fidelidade
do mais puro e raro aço.

É regra que quer ser quebrada
No mar, é feixe de luz desviada.

E do nada...
forma um arco-íris mais belo
de fogo abrasador e esmero
visível no breu da madrugada.


André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer