É nessa paz



É nessa paz

É nessa paz que me entrego
Navego
Desbravo
Envergo
Não quebro.
A paz de batalhas
Conquistas
Navalhas
Equilibristas.
Paz que me atrevo
Arrisco
Arisco
Rabisco
Meu trevo.
É nessa paz que escrevo
O que devo
Vejo
Viso
Piso.
É nessa paz o lampejo
Que ofusca
O fosco
Que se perde
Se busca
São todos
E Eu mesmo.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer