Esperando a chuva


Esperando a Chuva

A dança da chuva funciona se todos os dias a dançarem; amarro-me ao relento com a corda mais sensata que houver (no grande cajueiro), nó cego impossível de desatar. Dos dias felizes valem os sorrisos congelados; das noites de amor valem pensamentos impuros.

Por todos os lados não há o proferir do absurdo, e sim palavras incoerentes (murmúrios e soluçados de amor). Nenhum amor é inútil - absolutamente o contrário - achado ou perdido, o amor é tesouro que extravasa por lendas e mitos... é água-viva no mar morto. 


Por obséquio: todo amor tem seu preço?
E por direito todos podem pechinchar?

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI