FAMÍLIAS AMERICANAS

Tenho acompanhado duas séries bobinhas americanas, feitas para a televisão. Já vi dez capítulos de cada uma e, se não me aborrecer pelo caminho, vou passar muito tempo vendo ainda pois ambas têm sete temporadas já. São filminhos de vinte minutos, encaixam-se bem numa hora em que fico entre San Juan e Mendoza, tapam um buraquito. Ambas focam famílias. Uma de classe média bem média e outra de classe média bem alta. As mensagens também são familiares, visam o entretenimento de gente que sintonize com o mesmo espírito. Gente que vai absorver e consolidar o mesmo espírito. E nele há uma visão muito rasa das coisas: dos relacionamentos humanos, de como enfrentar os problemas cotidianos e de como “aproveitar a vida”. Os remediados viram-se como podem para tirar uma lasquinha do grande sonho de consumo. Os abastados espojam-se. Uma simples festa de aniversário para um dos filhos transformou-se em uma orgia inacreditável. Havia disso e daquilo, havia daquilo e disso e havia muito disso e muito daquilo. Não existe nessa postura um centavo que seja de conflito, de dúvida, de insegurança, de desconfiança. Será que não estamos exagerando? Passa reto. Enquanto nos arrabaldes a utilização do “Amigo Secreto” (ou “Oculto”, como dizem fora do RS) é cada vez mais uma imposição para enfrentar a “obrigatoriedade” de presentear alguém no Natal, nos Estados Unidos as famílias estradulam. Todo mundo ganha carradas de mimos. Dos quais vai usufruir um mínimo, seja por desinteresse, seja pela prosaica falta de tempo para se ocupar com tanta coisa. E ninguém pondera o quanto isso custou. Não aos seus bolsos, sempre recheados de dólares, mas à terra-mãe que forneceu a matéria-prima para tanto brinquedo inconsequente. 

ROGÉRIO CAMARGO 

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer