NATAL TODO DIA

“Tenho certeza que se poderia fazer um Natal todo dia”. Pois eu tenho certeza que não. Mesmo afastando o lado cínico da interpretação, que seria o de uma diária troca de presentes: o comércio ficaria muito feliz, mas não haveria bolso para sustentar essa prática. Mesmo ficando só com o aspecto idealista da afirmação, que é muito ingênua. Acreditar nisso é acreditar que o ser humano pudesse ser perenemente “bom”, só sentir coisas “boas” pelos outros seres humanos, viver um espírito de “fraternidade” constante e retilíneo. Isso é pura fantasia. Mais lucra quem coloca aspas nesses cor-de-rosas que só atrapalham a admissão de que estamos muito mais perto da animalidade grosseira do que da sutileza angelical. As pessoas se têm em muito alta e equivocada conta. Até por instinto de defesa (ou por uma reaplicação dele) procuram evitar uma observação mais profunda e isenta em suas reações violentas, mascarando-as com o verniz de uma civilidade extremamente frágil. Em resumo, a humanidade não tem condições de sustentar uma coisa dessas, um Natal diário. Aceite-se, só para exercício filosófico, que o espírito natalino tão decantado nas propagandas não seja apenas condicionamento, não seja apenas vontade de que fosse mesmo de verdade os desejos de paz e felicidade trocados sem que se pense no que está sendo dito. Em dois tempos a cabeça, inquieta e satisfeita, estaria entediada com o repetismo. Não durava uma semana isso que, no sonho, deveria durar para sempre, a fim de libertar os pobres sofredores dos grilhões do sofrimento.
A propósito, ontem digitei o texto abaixo, para um próximo livro de minha mãe que estou preparando:

A maior utopia dos grandes idealistas é solucionar os problemas da humanidade. Dar ao homem, em toda a face do planeta, plenas condições de paz e prosperidade. E eu me pergunto: se tal fosse possível, o que essa paz e essa prosperidade fariam da humanidade? Como sobreviveria o homem sob a camada estabelecida de inércia? E quais os resultados desse acomodamento sobre a evolução do homem? Ninguém pensa que o homem tem exatamente o que precisa para não soçobrar irremediavelmente no empedramento e na anulação. Tire-se a mola propulsora que o impulsiona para frente e em pouco tempo teremos um estado de caos. E é tão fundamental no ser o desequilíbrio e a rebelião, que o próprio homem desfaria em segundos o que o sonho utópico conseguisse por ventura realizar.

ROGÉRIO CAMARGO  

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI