SEM RAZÃO PARA EUFORIA


Terminou a conferência em Paris organizada para que se tomasse alguma atitude em relação ao aquecimento global. Sinto muito, mas não consigo entrar no clima de euforia que tomou conta de algumas declarações. O Secretário Geral da ONU foi às lágrimas com a emoção do momento. O Ministro francês encarregado de encarregar-se dos encargos também. Deve ser gente que chora fácil. Ocorre que, mesmo admitindo o perigo, os cacicões estabeleceram a meta de 1,5 graus no máximo de aumento na temperatura quando o limite para catástrofes ocorrerem nos países insulares é 2 graus.  Outra coisa: as providências devem começar a partir de 2020 e deixou-se brecha para que comecem  mesmo em 2030. Mais cinco anos (ou quinze) de produção industrial frenética desenfreada vão fazer muita diferença: para pior. Se as resoluções do Grande Encontro apontassem para medidas radicais imediatas já seria de desconfiar. Porque uma coisa é querer. Outra é poder. E quando o Poder não quer, podemos todos tirar o cavalo da chuva, porque ela vai ser ácida.

Rogério Camargo 

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer