Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 27, 2015

Algumas histórias - Parte VIII

Publicação by Inna Official.

Algumas histórias - Parte VIII
(André Anlub - 12/2/12)

Curitiba e Santa Felicidade

Outro dia bebendo um bom vinho lembrei-me de uma viagem a Curitiba:
Na época (1989) eu tinha uma tia que morava (e congelava) naquela bela cidade.
As passagens de avião ainda eram exclusivas pra rico,
Mas a juventude me fez encarar um ônibus com facilidade.
Curitiba, cidade limpa, 
Segura e de transporte perfeito,
O prefeito na época
Era mais que um político querido.
No chão nem um papel ou palito de sorvete,
Mas o frio ainda seria meu fiel inimigo.
Cheguei no inverno
E se lá fosse o inferno, congelava!
De dia eu pedalava pela cidade em uma Caloi 10...
De luva, gorro e três meias no pé.
À noite um filme com um bom vinho me esquentava.
Fiquei conhecido nas locadoras da área,
E já conhecia uns skatistas no parque Barigui.
Todos os filmes do momento eu já havia visto,
Naquela época eu queria morar ali.
Antes de voltar para casa fui conhecer Santa Felicidade
Bairro que foi um antigo caminho
(tropeiros p…

Dueto da tarde (XLVII)

Dueto da tarde (XLVII)

Começou a festa, o batuque aumentou o volume, as dançarinas estavam frenéticas e o tempo ajudou absoluto, 
Com suas estrelas firmes, com o seu mais firme que a areia-tablado, com a firmeza da aragem que refrescava as peles,
Com o pulsar do coração do pássaro, com o congelar-descongelar do lago, com o vago inspirar do bardo e seu verso que faz verter a lágrima.
As aves dançavam junto, as nuvens eram rendadas partituras e o som dentro de cada um era um som universal, uni-versando com o bardo num fardo leve e nada breve de um tanto amado dom (que assim o leva até outra dimensão).
Começou a festa que nunca para na sensibilidade em alas, nas salas e salões amplos como os campos e os mares que o vento beija,
É festa rasteira, mas que voa ao alto; é baderna, besteira, mas coisa ajuizada e mistério, pois eleva a alma sem desprezar o inferno.
Como pode o que não pode caber no que pode? As fitas coloridas girando no corpo nas eletrizadas eletrizantes bailarinas, o som da Vida se…