Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 3, 2015

Dueto da tarde (LIV)

Publicação by Canal Do Pirula.

Dueto da tarde (LIV)

O tempo perdido e o tempo perdido lamentando o tempo perdido; formando-se um ciclo, dando voltas e voltas no infinito como um círculo que queria ser hexágono, abandonando o seu formato.
Parafuso ensandecido que sobe e desce sem sair do (seu?) lugar; quer deixar esse vagar em terras óbvias e ir atrás de inovações, vidas novas, novas trovas, trovões e tempestades, algo que traga medo e o tire da incumbência para que foi feito.
Ganhar o tempo com o tempo perdido nas mãos, com o vazio do tempo perdido nas mãos, com a angústia do tempo perdido nas mãos, tirar o atraso, os tempos jogados no ralo sujo e largo da estagnação...
Essa busca faz o tempo andar para trás. Mas o tempo não anda para trás. Então essa busca é apenas um presente mal desembrulhado, mal interpretado e com suas devidas contradições; assim o tempo apenas segue em seu furor; perdido hoje: talvez por ter acordado de mau humor, talvez por ter achado que acharia, talvez porque... t…

Memórias da Guerra

Imagem
              Esta é uma notável obra de arte.  Esta imagem é feita de rostos de 670 soldados que morreram na guerra do Iraque.
Memórias da Guerra (André Anlub - 19/4/11)
Em meio a fumaça cinza com um toque avermelhado, Embaixo de um céu que é testemunha:
Vejo ferros retorcidos, destroços, Corações calados, que gritam... Vejo o tempo congelado.
Em meio às ruas esburacadas Vejo pertences abandonados (abrigos) Vejo um rio frio...
Rio de cartuchos que tiveram seus projéteis deflagrados, Todos com nomes - objetivos Calar um peito inimigo, Um corpo latente a ser alcançado, Silenciando-o e roubando-lhe sonhos.
Como o corte de uma navalha, Como quem tira o doce de uma criança, Como quem tira o amor e a esperança, Em troca de uma medalha.
Ainda bem que ninguém taxou de domínio Pois com o meu cheiro, marquei o terreno Mostrei os caninos ao meu cruel inimigo Dediquei-me na íntegra a ser feliz ao extremo.

Não negue o seu beijo

Publicação by Whistle Sports.

Não negue o seu beijo (André Anlub - 31/05/13)
Deveria ser lei: Não se nega um beijo! Ainda mais para um carente de amor, Um desajeitado com as palavras, Confuso com os sentimentos. Jamais se nega um beijo, Pois o mesmo é um elo... Encontro do sabor marmelo, Com gorgonzola, parmesão... Quatro queijos. Não, não se nega um beijo, Ainda mais o desmedido, Pois é a afirmação de um bem querer, Doce momento de prazer, Que faz no emudecer, O grito de tudo a ser dito.
Falam de bailarinas, De estrelas cadentes e flores; Falam de amores, de destinos, Esquinas, borboletas e odores;  Mas poucos falam do artista Em seu mergulho no meio,  Sem medo e sem freio Num oceano de caos. E ao unir os extremos, Teremos sem pressa A composição de um poeta, Que beija na cópula O corpo e a alma Do bem e do mal.

Preto e branca

Publicação by Jokke Sommer.

Preto e branca (André Anlub - 5/6/13)
Garanto minha frágil presença No pensamento mais estranho Que remete ao pesadelo Da minha pele pintada de branco.
Enxergo essa minha entrega Em reflexos de uma lâmina cega. E de maneira sutil, tão simples, Transcendo ao corte seguinte.
Em doação que faz mistura, Nossas cruas carnes nuas Fez contraste no arraste, Na queima que é de praxe, Do protocolo em leitura.
Ah, minha branquinha! Bebemos na água pura.
Pegue o banco e a caipirinha Venha sentar-se ao meu lado... (desnuda – noite - minha)