Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 11, 2015

Puro Osso – Qu'est-ce que c'est?

Publicação by Susi Brittes.

Puro Osso – Qu'est-ce que c'est? 

Estou titubeante,
São tantas eufóricas letras voando;
Acho que vou me retirar.
Já sai na mão com minhas ideias 
– quase sempre nocauteado;
O máximo que abiscoitei foi o empate.

É um inocente empata foda
– é poda de poeta com pé de empata.
Estou anacrônico,
Vivendo uma semana em outro tempo...

Já se foram dez rabiscos,
Todos deveriam ter sido feitos
Há vinte cinco anos.
Vivo essa semana em outro Eu...
(mas com as contas pagas).

Apontaram-me torto o dedo
Naquela esquina oblíqua,
Não vou comprar briga,
Mas vi má intenção naquele ato;
Depois uma cochichou algo
No orelhão da Oi da outra;
Orelha enorme e vermelha,
O brinco parecia um bambolê.

Fez cara feia, tipo: 
“pisei na bosta, quem quer ver?”.
Estou incólume:
- Faz certo charme.
As ruas daqui do meu bairro
Remetem-me às épocas dos becos,
Ruelas e travessas do Rio de Janeiro:
- Faz certo charme²

A lembrança surge como uma bruma,
Densa, e lá no alto o Big Ben;
Não, não... 
Agora viajei longe...
Vi foi o re…

Mãe dos libertos

Publicação by Joao De Souza.

Mãe dos libertos
(André Anlub - 10/5/14)

Lá tem tudo e é para quem tudo quer mesmo,
Tem aconchego para moleque travesso,
Também tem o avesso da escuridão.

Tem aquele odor de fruta madura
Que quando ainda verde lhe coube o flerte...

E assim, de repente, pousa contente,
Saborosamente na palma da mão.

Lá tem história com nostalgia,
Tem o poder da cria num belo cordão.

Tem lá o calor e águas de vida,
E intensa ventania, mas só quando há fervor.

Lá tem a mãe, tem a vó e a filha,
Tem a imaculada magia – procriação.

Existe o amor – alegria – harmonia,
Existe o sim e o certo ao ensinar com o não.

Enfim lá tem tudo na fidúcia do afeto
Aos olhos do reto (segurança e abrigo);

Onde prevalece a bonança não há oprimido,
Genitora dos deuses, mãe dos libertos.

Fulano da Silva

Imagem
Fulano da Silva
(André Anlub - 3/2/14)

Deu um gole no chá verde gelado
E ao descansar a xícara, sorriu.

Viu-se num lago novamente o guri
Que um dia brincou com seus sonhos alados.

Congelando o momento foi trajando o futuro,
Luz no fim do túnel do incerto predestinado.

No amanhã um apogeu deveras absurdo,
É a essência madura que utopicamente nasceu.

Viu-se feliz com o viver protegido
Viu-se ungido com o suor de mil anjos.

Na boca pequena um grandioso sorriso,
E os ouvidos docemente arranhando,
Violinos de Vivaldi em arranjos.

Faz-se adulto, pecante e andarilho,
Com rugas no rosto e prantos arquivados.

É trem de carga que não carece de trilhos;
Abandonou seu abrigo, sem culpas e mágoas.

Dueto da tarde (LXII)

Publicação by CartaCapital.

Dueto da tarde (LXII)

Dia cheio, manhã nublada com cheiro de chuva e sem galo cantando; o moleque já solta versos pelo pomar.
Alguns deles já são frutos colhidos, outros são sementes jogadas; alguns deles falam sobre amores eternos, outros são menos utópicos.
O top dos tops é a inspiração, a respiração da alma, a calma perturbada pela eletricidade, a cidade inteira em sua casa. 
É menino de imaginação fértil, pomar fértil, e não precisa de mais nada; para ele a eletricidade até existe, mas basta ser desligada.
Temores, tremores, tambores, estertores, tudo cessa porque ele quer espaço, e voa ao espaço no compasso longo e largo que será ligado aos futuros amores.
Menino dançante e dançável no ritmo de seus versos inacabados, de sua mensagem procurando destinatário ao acaso.
Tarde cheia, tarde de sol com cheiro de música; a festa anunciada, a mesa farta, e os versos agora soltos pela mata.
O moleque estica a mão em seu pomar de versos, colhe alguma coisa que é mais do …

Águas do sul

Imagem
Águas do sul
(André Anlub - 22/1/14)

Correm as águas nervosas e frias,
Delas, tuas e minhas, na prontidão da montanha.
Descem céleres, loucas, carraspanas
Que a tua, a dele e a nossa
Menina bonita se banha.
Nas suntuosas curvas dos teus eixos
Levam e trazem histórias.
Despencam, esculpindo rochas,
Lixas de raça que movimentam os seixos.
Do céu são águas de eterno espelho
- Se tem céu azul, dança o azul em ondas.
Do nascente ao ocaso, dá ao acaso
(laranja, amarelo, vermelho).
Ao som de milongas.
Nasceu em águas apaixonantes (disse alguém) a poesia.
Num cenário emoldurado que consagrou a cria.
- Entre cantos, entre tantos, por ironia...
Este poeta de amor sofria.