Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 14, 2015

A cena da sina em cinco tempos

Imagem
A cena da sina em cinco tempos
(André Anlub - 19/3/14)

Deixei um abraço pro lago Paranoá,
Fim de tarde dos mais belos,
E o sol batendo o ponto pra descansar.

II

Se não fosse a paixão, simples,
Teria outro nome:
- Fez-se atração ao limite do suportável.
Mais uma vez grito! E o grito sai assim:
- Meio confuso, meio dominado.
É a saudade, é o deslumbre;
É o lume da liberdade...
São pontos, luzes da minha cidade;
Vejo o mar com imponência e atitude.

Olho pela janela do avião e concluo:
- Será uma enorme coincidência de também meu corpo físico estar nas nuvens?

Não há tempestade que me atinja;
Não há cor ou mancha alguma que me tinja.
Hoje - agora - amanhã...
Sou camaleão!

III

Olhos cheios d’água,
É noite e as luzes refletem na minha íris.
Vejo minha terra, minha mãe
Desse filho adotivo, birrento,
Que amamentou em seu seio,
(ama de leite)
Banhou-se no seu mar
E no seu sol aqueceu-se
De um acaloro que vem de dentro
Expressivo – decisivo – poetar.

IV

Agora é êxtase de lisonjeio e satisfação;
Pus a mão na arte, na autoridade …

Dueto da tarde (LXV)

Imagem
Dueto da tarde (LXV)

As cores fundas da noite aguardam que o sol aqueça alguns amarelos;
Opções de tons à mercê do pincel; mesclados de vermelho e laranja acendendo o sorriso de Van Gogh no céu.
A sombra aguarda o momento de dançar a dança dos fogos impossíveis; o verniz espera sua vez, inquieto, enquanto o matiz sobe ao quarto com a pálida e cálida meretriz.
Ela não se oferece facilmente. Ela tem seu preço em luzes da manhã que ainda não chegou, pois muitas vezes cobra caro: querendo um eclipse que cale a boca do sol.
O sol fala muito e alto, com sua boca de incêndios; a lua é educada, silente, e mesmo com boca mutante, nem por um instante aumenta o tom de voz.
As cores fundas da noite conhecem a lua como um filho conhece sua mãe. E aguardam os amarelos do sol como quem espera o pai voltar do trabalho; sabem que os amarelos se perdem nos atalhos das cores, nos rubores dos primeiros raios, passeiam pelo ateliê do artista, beijam o cume do Everest, e sem que se apressem chegam aos olhos de q…

Sempre vivo

Dai o sujeito pensa (ou vomita): "O exemplo vem de cima" - mas isso é a pura e vil transferência de culpa! Dois erros não fazem um acerto!

Publicação by Marcos Pereira.

Sempre vivo
(André Anlub - 4/1/13)

Precisamos de dias mais longos,
Cheios de ar, aves; árvores por todos os cantos,
Cantos açucarando os pesares.
(Afagando os ouvidos)

Ouvi dos sinceros seus sins,
Som de detalhes...
De talhes simplórios,
Corpos notórios, 
Felicidade - gemidos.

Precisamos de larga boca
E nada oca a mente.
Mente aquele que no medo,
Em segredo,
No paladar do azedo, 
Expõe que não ama
E não segue passo à frente.

Por aqui, por ali,
O sol nasceu mais vivo;
Vi você de repente,
Menos breve e arredio
Arrepender-se contente.

Na trilha do som e do cheiro, 
entre outros planejes, 
já havia o longo tempo de um asilo 
- E saiu, enfrentou, 
nisso e naquilo 

foi certeiro.

Pendura e perdura

Imagem
Pendura e perdura
(André Anlub - 20/9/10)

Verás os varais pelo planeta afora,
Alguns dependuram difusas histórias:
- Toalhas sujas, lençóis manchados,
Burcas, fardas, camisolas...

Verás secarem farrapos:
- Roupas de seda e algodão egípcio.
Algumas despontam sacrifícios,
Pintam os adornos nubentes.

Verás os varais internos
Que penduram o ódio retido:
- Enxuto, infecundo, rachado...
Como as rugas do envelhecimento.

Também verás os que penduram amores...
De diversos calibres e cores,
Sem importância do enxuto ou ensopado
Vale o corpo que aqueceu algum dia.