Postagens

Mostrando postagens de Março 2, 2015

Bloquinho de papel de pão

Publicação by Zé da Gaita.

Bloquinho de papel de pão
(André Anlub - 22/3/14)

Viagens na forma e na cor,
De contornos vê-se a alvura das nuvens 
E o livre leve nacarado da flor.

Esparramando nas entranhas,
Eis entranhas que fulgem:
De paixão e luz tamanhas
Que aqui e ali nomeamos de amor.

Sonhos que voam e pousam num flash,
Longínquas dimensões são transpostas
Nos pífanos porretas do agreste.

Segurando um ínfimo lápis mal apontado,
Com a borracha aos pedaços no outro extremo
- Desenha a clave de sol - escreve um belo soneto
Num papel de pão amarelado.

Fulano da Silva, Sicrano Barbosa e Beltrano dos Santos

Imagem
Fulano da Silva, Sicrano Barbosa e Beltrano dos Santos

Deu um gole no chá verde gelado e ao descansar a xícara, sorriu; viu-se num lago novamente o guri que um dia brincou com seus sonhos alados.

Congelando o momento foi trajando o futuro, luz no fim do túnel do incerto predestinado; no amanhã um apogeu deveras absurdo é a essência madura que utopicamente nasceu. Viu-se feliz com o viver protegido, viu-se ungido com o suor de mil anjos.

Na boca pequena um grandioso sorriso e os ouvidos docemente arranhando violinos de Vivaldi em arranjos; faz-se adulto, pecante e andarilho, com rugas no rosto e prantos arquivados.
É trem de carga que não carece de trilhos; abandonou seu abrigo, sem culpas e mágoas.

Chegou o tempo das convicções positivas, de amores desatados por mãos limpas e lavadas com o suor da procura. Eis mais um desafio no meio do povo  “de andar semelhante”: - barba bem feita, o sapato novo e alma nada desnuda.

Eis o semblante guerreiro, os filhos na escola e hora na labuta: - comida…

Dueto da tarde (LXXXI)

Imagem
Dueto da tarde (LXXXI)

É um rapaz criativo, mas que usa palavras repetidas, tidas como ingênuas e nuas no sentido implícito; cito um exemplo conciso:
Informação nunca é demais. Você fala, ele ouve. Ouve mesmo. Mas você nunca vai ficar sabendo o que ele “criou” com elas.
E nas mazelas elas se reinventam, tamanha incoerência exposta, posta aos olhares e ares.
É um rapaz super ativo, mas você não percebe a super atividade dele. É um rapaz que dá voltas em torno da terra, mas você não percebe seu corpo se mexendo.
Camufla-se em árvores, em peixes, pássaros e tudo; cresce galgando espaço e faz do externo seu núcleo.
Certo dia uma nuvem lhe perguntou por onde andava. Ele respondeu. A nuvem não ouviu. Certa noite uma lua lhe sorriu. Ele retribuiu. A lua não viu.
Se o núcleo fosse o centro, a nuvem ouviria, a lua veria e com o sol também conversaria. Mas o núcleo não é o centro.
O núcleo é um embuste, é como um busto em praça pública que ao “João ninguém” representa.
Fora é fora. Dentro é dentro. Dent…