Postagens

Mostrando postagens de Abril 4, 2015

Dos matrimônios

Golfinhos surfistas – lindo de verGolfinhos pegam onda na costa australiana.Curta: Ecosurf©Jennene & Dave Riggs
Posted by Ecosurf on Segunda, 23 de junho de 2014

Dos matrimônios 
(André Anlub - 3/4/12)

Uma vez li uma sábia frase de Dalai Lama e, 
Pelo menos na minha estirpe foi comprovada...
Dizia que o certo é se casar com alguém
Que você goste de conversar...
Pois ao envelhecerem isso é o que vai restar.

Mas proseando:

Ele era louco pela menina mais bonita do bairro,
Um daqueles lugares de casas antigas, 
Chão de pedras portuguesas e ruas arborizadas;
Ela passeava pela praça...
(toda manhã com seu cachorro de raça)
Sempre cheia de graça, de bons costumes
E muito simpática.

Já volto com a prosa!

O casamento é uma mera reciprocidade,
Em qualquer idade tem que haver uma troca;
Como uma porca que não tem utilidade sem o parafuso...
E as duas partes estarem preparadas para qualquer eventualidade.

Fidelidade é essencial, porque vem do cerne
Requer boa índole, ser bom ouvinte e ser bom aprendiz;
No dia a dia…

A vida é uma delirante professora

Imagem
Sick surf video of one of the swell's at the wedge in California!!
Posted by Extreme on Sexta, 3 de abril de 2015

A vida é uma delirante professora 
(André Anlub - 5/1/12)

A vejo assim: jeito terno e a pele como rara seda, olhos redondos iguais jabuticabas, cabelos longos e escuros e a voz direta e amena; às vezes chega a ser macabra.
- Mas isso é outra história.
Na luz da lua o amor é mais esplêndido, não há fome, não há sono e não há lamento. Como um eco a razão
transcende o vale, vara a noite além do tempo e no auge do entendimento no breu noturno despenca.
Tão insensata professora é a vida: na lida com o apego e o amor, ponderação e questionamento, ela ensina. Mas não se iluda achando que aprendeu o suficiente, pois nos seus erros eloquentes ela castiga.
Atualmente ando com ideias antigas de modernizar meus conceitos. No fundo são adágios superados...
Há tempos que tenho a teimosia de querer ser atualizado.

Imoral

From Red Carpet of OSCAR to Sky!My Cola Space Shuttle!
Posted by Mavi Kocaeli on Sexta, 3 de abril de 2015

Imoral 
(André Anlub - 12/3/10)

Dos fascínios de uma única pura sorte,
Entrando em uma farta imensidão.
Preparando-me para o seu ego absoluto:
- estou chegando maior que o mundo e menor que a palma de sua mão... 
quero ser dono da sua alma, do seu coração; 
um pouco do absurdo de nunca ter tido uma vida pura.

Da pureza que lhe é rara e na redundância de minhas palavras, 
friso-as bem, antes que emudeço.
Suga tudo que é de bom de tudo
E do seu próprio sangue, mesmo que ralo:
- Assim que é falha, assim que é fogo
Pois assim na palha, tudo é um jogo.

(incendiou a sua casta)

Caminhada perdida e alma penada,
Feliz, de encontro ao avesso.
Nunca há derrota, pois de certo a merece.
Em todos os seus pecados, padece.
(Imoral, impura, inquieta, imortal)
Uma vida de lama se perpetua,
No desdém que sua chama queima,
Colecionando paixões às escuras...

(nomes não interessam a ninguém)

A religião é descartável?
Ou um deu…

Dueto da tarde (CXIV)

Eterno Cartola, em Reencontro emocionado com seu Pai após 40 anos sem se falar. Por: Cartola. <3
Posted by Cifras on Terça, 24 de fevereiro de 2015

Dueto da tarde (CXIV)

A grandeza do mais miudinho olha para o imensurável das grandezas outras e constata que no mundo o rabo abana o cachorro, enquanto que na esquina o cachorro abana o rabo e o vento fresco abana a todos.
Volta para casa e relê a “Tabacaria” do Fernando Pessoa. Identifica-se: Lá vai o Miudinho, sem filosofia.
Gosta dos grandes poetas, mas lê bastante os pequenos também. Só não sabe e nem quer saber distinguir quem é quem.
Trabalho demais. Inconsequência demais. Muito barulho. Liga o rádio em estação nenhuma e escuta.
No som do silencio vem à divergência de vozes – o barulho altivo era inativo e nulo; a nudez do calado falava delicado aos ouvidos.
O som do som nenhum cai-lhe bem. A palavra da palavra nenhuma lhe diz tudo.
Volta para a praça e lê “Invernáculo” de Paulo Leminski. O faz sentir-se moleque com toda sua grandeza miú…