Postagens

Mostrando postagens de Abril 13, 2015

Um Mau Lugar da Pseudo-morte

ეს უნდა ნახოთეს უნდა ნახოთ: საოცარი ნამუშევარი !!!
Posted by STAR FM 93.9 on Sábado, 19 de abril de 2014

Um Mau Lugar da Pseudo-morte 
(André Anlub - 4/7/10)

Com as mãos sujas de pecados,
Corpos fortes, mentes fracas,
Lixos espalhados por todos os lados
Ficam a empunhar as suas facas.

Uns nus gritam abafados,
Outros dizem serem soldados de Hades;
Mas todos buscam se alimentar
Comendo os corpos estragados.

Existe em frente um imenso mar de sangue,
Com ossos e pedaços de carne.
Na junção com a terra se forma uma espécie de mangue
Com pequenos moluscos que beliscam as faces

O cheiro de podre domina os lugares,
Também no ar existem pequenas cinzas
De corpos queimados pelos calcanhares,
Bocas abertas procurando brisas.

A dor e o medo são cotidianos,
Zumbis e moribundos vomitam maldade.
A esperança e a vida há muito tempo padecem...
A única saída é pedir piedade.

Do chão ao empíreo

Jornalistas são presos arbitrariamente durante cobertura da ocupação de um terreno no Jabaquara, em ação do #AbrilVermelho
Posted by Podemos Mais on Segunda, 13 de abril de 2015

Do chão ao empíreo 
(André Anlub - 29/03/13)

Vou fiscalizar nosso termômetro da relação, tem que permanecer além de quarenta graus; e nossos complexos e imensos litorais sempre agitados com grandes furacões.
Mas está tudo de bom, gostamos assim.
Devemos manter sempre os pés no chão, e deixarmos tranquilamente o girar da bola; mesmo com as areias quentes, queimando e nada mornando o mormaço na cachola.
Mas já vi que está tudo a contento.
Deixei a vaidade ir embora, e na raça e coragem apertei o cinto e a embreagem, engrenei a quarta e arregacei as mangas, pois já passava da hora.
E voltando ao furacão que carrega tudo por onde passa, demolindo paredes sólidas, abalando alicerces, “liquificando” a massa e deixando escombros no chão...
Realmente tudo nos conformes.
A queda nos obriga a levantar a cabeça, reconstruir com p…

Günter Grass (1927/2015)

Imagem
Prêmio Nobel de Literatura, morre aos 87 anos
Escritor alemão estava internado em clínica em Lübeck.
Sua primeira obra, 'O tambor' (1959), é best-seller mundial.

Günter Wilhelm Grass (Danzig, 16 de outubro de 1927 - Lübeck, 13 de abril de 2015) foi um autor, romancista, dramaturgo, poeta, intelectual, e artista plástico alemão.1 2 Sua obra alternou a atividade literária com a escultura, enquanto participava de forma ativa da vida pública de seu país. Recebeu o Nobel de Literatura de 1999. Também é reconhecido como um dos principais representantes do teatro do absurdo da Alemanha. Seu nome é por vezes grafado Günter Graß.

Aniversário de Fortaleza

Imagem
Fortaleza completa 289 anos nesta segunda-feira (13).
Comemoração será no aterrinho da Praia de Iracema.


Uma praia em Fortaleza
Fortalece a alma.

O mar entra em cena e sorri,
Sorri para mim um sorriso discreto,
Mas nada amarelo!

Sorriso azul de verdade
Que pede respeito e doa alegria,
Que passa energia e pede cuidados.

Inspiração de carta marcada
Transborda no meu caderninho...
Como sempre acaba em poesia.


- André Anlub

Galeano (1940/2015)

Imagem
Eduardo Galeano, que nos deixou hoje, em uma das imagens mais bonitas sobre utopia! <3
Posted by Indique Um Livro on Segunda, 13 de abril de 2015


"Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovakloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando. Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza. E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai: - Pai, me ensina a olhar!"
- Eduardo Galeano

Dueto da tarde (CXXII)

Imagem
Dueto da tarde (CXXII)

O tempo não andava. Parecia estar com os pés enterrados em concreto
E o que é concreto confessar é que do jeito que está sua vida também não anda.
Procura marretas, martelos, picaretas, ajeita-se em mutretas. Procura, procurava: o tempo não andava.
A vida estacionada em vaga de deficiente esperando algo diferente e aguardando o hipotético estouro do rebanho.
Ganho ou perda dão no mesmo se este a esmo não se resolve. Não se dissolve o concreto mandando embora o que não vai embora.
O tempo estacionado em vaga de idoso esperando esperançoso que os ponteiros corram soltos e saiam nada vagarosamente desse casulo inerente.
Autopoliciamento: multa e guincho. Talvez uma troca de prisão tenha aroma de liberdade.
Pelo menos assim agitam-se! O tempo e a vida liberam as vagas para os que realmente devem ficar parados:
Todos os que sustentam. Todos os que, caso se movam, deixam cair o que repousa sobre os seus ombros. Sobre os ombros dele o peso é o da gravidade – a responsabilidade …