Postagens

Mostrando postagens de Abril 16, 2015

Santos de madeira

Câmera escondida revela abuso contra empregados em fabricante da Apple na China
Posted by BBC Brasil on Sexta, 19 de dezembro de 2014

Santos de madeira
(André Anlub - 25/12/11)

Pés descalços pisam nas britas,
Que parecem pequenas brasas.

Colher de boia fria na marmita,
Colher de pedreiro nas mãos,
Ensaiando seu karatê. 
(aiá!)

Cheirando cimento,
Colando o pulmão.

O sol fulgente e quente 
Cortando de um lado ao outro
O céu mais limpo.

Rito habitual,
Frito obituário.

Às vezes pisca para a esperança
E o sol ri da sua cara.

E ele, cá embaixo,
Suando em bicas,
Pensa que há uma missão a ser feita.
(e há!)

Nas horas vagas é escultor,
Faz santos de madeira.

Com a ponteira acerta os pontos,
Com o cinzel talha o formato
E a plaina aplana a vida.

(...) E o verniz como o brilho nos olhos
Da lágrima que se mescla ao suor.

Mar de doutrina sem fim

Just debuted at Star Wars Celebration: a suspenseful new teaser for #TheForceAwakens.
Posted by Star Wars on Quinta, 16 de abril de 2015

Mar de doutrina sem fim 
(André Anlub - 12/5/14)

Houve aquele longo eco daquele verso forte desafiador;
Pegou carona na onda suntuosa de todo mar agitado:
- fui peixe insano com dentes grandes e olhar de bardo;
Fui garoto, fui garoupa, fui a roupa do rei de Roma...
E vou-me novamente mesmo agora não sendo.

Construo meus barcos no sumo da imaginação:
(minhas naves, pés e rolimãs),
E como imãs com polos iguais, passo batido... 
Por ilhas virgens – praias nobres – boa brisa;
Quero ancorar nas ilhas Gregas, praias dos nudistas e ventos de ação.

Lá vem novamente as velhas orações dos poetas,
A tinta azul no papel árduo
E vozes roucas das bocas largas,
Mas prolixas: mês de maio, mais profetas.

E houve e não há, o que foi não se repete;
Indiferente das rimas de amor – vem outro repente...

O mar calmo oferece amparo:
- sou Netuno e esqueci o tridente,
Trouxe um riso com trinta e…

Dueto da tarde (CXXV)

MONTE EVERST X GEOLOGIA - Saiba como foi formada a cordilheira do Himalaia e o MONTE EVEREST
Posted by Indiretas da Geografia on Quinta, 16 de abril de 2015

Dueto da tarde (CXXV)

Em uma imersão no azul o Anu faz graça de graça aos olhos nus.
Nudez cheia de encanto que, por enquanto, vale mais que qualquer moda.
Em algum lugar do país, todos os anos, o Anu come seu angu com anis.
Separa o caroço, sem alvoroço e guarda do almoço para um descansado jantar.
Está na roda essa ave, rondando os engenhos no entorno das pequenas cidades e todo o seu corriqueiro.
Gira com ela o passeio dos olhos atentos, descobridores de pequenos desvãos onde acomodar a curiosidade.
Anu de nós poéticos para todos nós; Anu preto e Anu branco, de cantos melódicos que atraem curiosos patéticos tentando pegá-los. E voam girando...
Imersão no azul: indo buscar o que já tem na alma porém na alma não voa assim. Ou voa, sim, mas não com este fim.
Nas anuências do Anu entram sua breve vida, sua estada simples de labuta ingênua e …

Pequena grande história de Glorinha

Imagem
Pequena grande história de Glorinha 
(André Anlub - 26/5/14)

A carne de sol recheada com queijo coalho
A mesa farta de tudo que é local.
Da seca ao céu, do pó ao pó,
Glorinha fez as malas, afinou as falas...

(...) abraços a Caicó.

O ontem ficou refletindo agorinha
Quando a Glorinha arteira chegou pela primeira vez à areia,
Fincou a faca de pão refletindo seu rosto risonho
Realizou seu sonho e desmaterializou todo o mal...

(...) em frente ao mar.

Glorinha de glórias, de prantos e preitos,
Rosto delicado, nariz fino e trejeitos.
Andar leve que faz breve um prever alegre
Desertos de frutas, de nuvem e de sal...

(...) Macau, seu novo lar.

Glorinha rainha, concubina dos livros...
Fixando seus olhos na nova leitura,
O café requentado esfriou novamente,
Fez claro, evidente, o interesse escondido.

Glorinha agora gosta de revista em quadrinhos
Devoradora assídua e sonhadora gritante
Lê, aprende, escreve e ensina
Fez disso sua sina, levou pra sua terra distante.