Postagens

Mostrando postagens de Abril 17, 2015

Eu poesia

"Pra mim, o modelo de família é aquele em que há amor", disse Chicão, filho de Cássia Eller, em entrevista ao programa Lado Bi desta semana. Ouça na íntegra: http://bit.ly/1HxjQco
Posted by UOL on Sexta, 17 de abril de 2015

Eu poesia 
(André Anlub - 1/5/10)

Não seremos prolixos vamos falar de poesia:
Eu, meu Eu lírico e o alterego se exporão.

Poesia no âmago é cega - um lince
Feia – linda; em sua saída
Abraçada na verve leva contigo tato e emoção.

Poesia pode lhe trair
Atrair – extrair; estimular muitos - ou nenhum;
Ser alento, veneno, somar – subtrair;
Levar aos sonhos, ser foice perversa, vertigem,
Seu “metiê”; ócio - dar ordens, ser forte – obedecer.

Em poemas libertinos
Que quase sempre em linhas tortas,
Ficariam mortos, desatinos, mas comovem plateias
E alcançam destinos.

No arcano que é a poesia, 
Fazemos uma idolatria doentia.

Poesia pode ser menina traidora, menina mentirosa.
Mesmo que na ferida exposta da fossa
Batemos palmas - damos guarida
Damos espaço - nossas almas.

Dueto da tarde (CXXVI)

A #CG mergulhou em um dos rios do maior complexo de águas termais do planeta, em Rio Quente / Goiás. O Lugar é realmente...
Posted by Climatologia Geográfica on Terça, 17 de fevereiro de 2015

Dueto da tarde (CXXVI)

Estarei contigo por todo o quase sempre que me sentires contigo.
Em idolatria és tudo em única: aconchego, caminho, mar, luz, céu, apego e ar.
No ar que respiro a marca dos teus pulmões renovando o que eu não saberia renovar sozinho.
Nos papéis deixo letras – contornos de teu corpo, teus menos, teus mais; explodo-me quando não te tenho em sonhos, o que no acordado sempre estás.
Meus passos confirmam um caminho já aberto e não fui eu que abri. Minhas asas ganham um céu que não aprendi a voar sozinho.
Nas entranhas o estranho sangue corre como um rio em desatino, sem rumo certo, sem cheiro certo, sem leito e sem fim.
O rumo traçado por um aroma sutil que se perde/encontra em outros aromas sutis, que se faz/refaz no meu entregue nariz; transmutando em alquimias de orquídeas com rosas…

Corsário sem rum(o)

Posted by André Anlub on Sexta, 17 de abril de 2015

Corsário sem rum(o) 
(André Anlub - 3/5/12)

No seu sorriso mais doce
Dá-me o sonhar acordado,
Nau agridoce ancorada
No porto seguro de um réu.

O cerne mais íntimo partilhado
Como alado cavalo ao vento,
Coice pra longe o tormento,
Traz na crina o loiro do mel.

Mil flores a pulsar na razão,
Vil dor e jamais compunção,
Cem cores permeiam na libido,
Sem rumo nem rum no tonel.

Pirata na dádiva do amor,
Com a bússola do autêntico anseio,
Nem proa, nem popa, nem meio,
Voando em direção ao seu céu.